quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

O começo e o quase final...


Estava hoje cedo pensando em alguma coisa que pudesse me trazer para esta realidade. Sim, porque nesta segunda estive no paraíso. Não encontrei nem Adão nem Eva, mas encontrei um deus personificado. Uma figura tão simples que nem a "palhaçada" que ela achou que era a combinação dos que estavam lá comigo soou como ela queria: seu coração não deixou, é claro.

Aquela figura que muitos tremem só de ver, que imaginam um dia poder ir à casa dela, comer na sua mão as transformações tão racionalmente impensáveis que até irrita quando a gente descobre o final.

Enfim, o começo de hoje foi a realização de um desejo de alguns anos. Pesquisas infindáveis, muita Renata pro ralo, literalmente, pelos resultados inaceitáveis. Mas a bondade divina me deu um presente: a oportunidade de fazer com que na minha mesa do café-da-manhã pudesse ter um pouco do seu amor e de sua dedicação.

Só não me peçam para desvendar o seu interior nem mostrar os caminhos trilhados porque não entendo seja justo isto. É um segredo que só foi compartilhado com poucos. E eu jurei a mim mesmo manter este segredo.

Mas ele está aqui pra vocês verem.


O cheirinho é alucinante! O seu interior, mágico. O sabor, nem é possível imaginar quem dele não comeu. Mas não é assim tão simples isto. É preciso ter o acompanhamento de uma MANTEIGA de primeira linha e, claro, de fleur de sel...

Mas o dia não ficou assim, ligado na casinha laranja na beira do canal. O esforço foi recompensado.

Peguei meus escritos e fui em frente... Separei uma forma de ricota com 285g. Dois potinhos de Philadélphia foram retirados do refrigerador (geladeira para alguns) uma hora antes. A manteiga Aviação, idem. 200g dela, um pacotinho aqui no Brasil (é, tenho muitos leitores em Portugal!). 6 ovos da melhor qualidade que pude encontrar e com a data mais recente de postura. Pesei duas porções de farinha de trigo Renata (gente, é a melhor do Brasil!): uma de 300g e outra de 60g. Separadinhas em tigelinhas de porcelana. De açúcar, também duas porções, peneiradas: uma de 100g e outra de 80g.

Guardei a balança e parti para a primeira parte: a base de um cheesecake. Porções individuais.

Numa tigela coloquei a manteiga e o açúcar (100g). Bati bem até que ela ficasse esbranquiçada. Juntei duas gemas que haviam sido coadas por gravidade em uma peneira de plástico. Nova mexida até a total incorporação. Dez gotinhas da melhor essência de baunilha (das Ilhas de Madagascar) caíram ali na massa. Agora, a farinha (300g), aos poucos peneirada era incorporada a esse creme. Sempre sobra um pouco pois é preciso que a massa fique maleável e lisa. Gostosa de se acariciar. Coloquei-a num saco plastico e deixei meia hora pegando um friozinho para arrumar a textura.

Comecei a preparar o recheio... A ricota foi devidamente cortada em pedaços menores e passada em uma peneira com malha "fubá". Depois de toda passada pela peneira, novamente para que a textura ficasse mais fina. As duas embalagens de Philadelphia fora, então, misturadas. Coloquei 4 gemas para serem coadas por gravidade e reservei as claras.

Peguei a massa, já resfriadinha e, calmamente forrei as forminhas. Altinhas. 12 delas ficaram com o fundo e as laterais cobertos. Furados os fundos, foram tomar um calorzinho de 180ºC até começar a dourar.

Nesse meio-tempo finalizei o recheio: adicionei as gemas, a farinha de trigo e resolvi, na hora, colocar umas raspinhas de casca de limão. Afinal precisava usar o presente que ganhei de uma fada-madrinha. Bati as claras em castelo (como o pessoal d'além-mar costuma chamar) – aqui picos firmes – adicionei as claras à massa, com calma.

Retirei as forminhas do forno: queria apenas dar uma “selada” na massa. Coloquei o recheio até ¾ da altura. Voltei ao forno para finalizar, deixando começar a dourar.

Quando o cheiro começou a deixar todo mundo doido, foi hora de retirar. Era preciso esperar um tempinho para que tudo se acalmasse. Muita calma nessa hora! Aqui está o resultado...



5 comentários:

Li disse...

Carlinhossssss!!!
Semana de aprendizado....
E, cada lição, uma mais linda que a outra!
Ainda estou tentando digerir tantas novidades. Você, uma delas!
Queria te dar parabéns! Você é o mais aplicado de todos!
Seguramente o que mais trabalhou! E.....até o final! Enquanto as costeletas maravilhosas não estavam todas servidas, você ficou lá na cozinha, arrumando e cuidando delas por nós!
Beijas!
Li

Adriana disse...

Que belo esforço e que belo resultado.Parabéns!!!!!!!

Eliana Scaramal disse...

Fantástico o resultado!!!

Anônimo disse...

Carlinhos, Show de Bola!!!!

Parabéns!

Ministro Zéka

Gourmandise disse...

Mas compensa todo o trabalho! Adoro ficar fazendo testes de novas receitas, mudando as antigas, inventando....rs
bjos,
Nina.