quarta-feira, 2 de abril de 2008

Sagu


Tenho, vez por outra me aventurado em conhecer mais intimamente o aipim (também conhecido por estas terras como mandioca, macaxeira, maniva...).

Mas ainda não havia me rendido aos encantos destas bolinhas até que recentemente comprei um pacotinho para testar minhas habilidades. Afinal já virou até caviar nacional, não é Claude?

Mas eu não queria fazer simplesmente um sagu como tantos outros. Prefiro a adrenalina de buscar alternativas, trabalhar métodos, descobrir novas formas de usar o ingrediente. É claro que nem sempre acerto. Nem passa pela minha cabeça isto. Aliás, a busca provavelmente seja até mais interessante do que a consequência dela...

Ai, recebi das arábias - entre outras coisas que ainda vão acabar aparecendo por aqui - as ditas "bolinhas"... Ao pegar o pacote elas me pareceram bem menores do que as que havia comprado. E eram...




[clique sobre a imagem para ampliar]


E, junto com elas, chá de hibiscus. Minha cabeça começou a imaginar o que fazer com ele. Já havia tentado outras formas...

Ai resolvi juntá-los. A partir de algumas preparações que usavam vinho tinto resolvi que esta seria a oportunidade.

E, então, mãos à obra. Afinal é isso que você está esperando, não é?

Separei meia xícara de chá do sagu árabe. Coloquei numa vasilha, uma xícara de água e depois o sagu ali dentro. A idéia seria "lavar" o excesso de amido já que era esperado um resultado mais para translúcido. Deixei aproximadamente 15 minutos ali. Isto ajudou a crescer um pouco as bolinhas. Evidentemente, também esperava - e aconteceu - nem todas seguiram o mesmo objetivo...

Passei para uma peneira e "lavei" elas de forma que o excedente de amido pudesse sair.

Numa panela que levei ao fogo com 2 xícaras de água deixei iniciar o processo de fervura (pequenas bolinhas se soltando do fundo) e coloquei um sachê do chá. Abafei para que pudesse ser extraído o máximo do sabor e cor do mesmo.

Adocei. E aqui, cada um ache o seu "ponto doce". Uns gostam de mais doce, outros de menos, outros não podem açúcar, outros já preferem o mascavo.... e por ai vai. Pelo menos issso precisa ser seu, não é mesmo? Eu usei stévia. É o que me é permitido. E só deixo de usá-lo quando apareço para jantar numa certa casinha do Jardim Botânico...

Depois de adoçar, é preciso levantar a fervura para fazer a caldinha. No meu caso, entra depois disto. Ai coloque as bolinhas de sagu lavadas e escorridas. Mexa até chegar a consistência desejada.

Eu preferi deixar algumas mais "al dente" para que o "croc" estivesse presente... Afinal o objetivo era aflorar a criança que existe dentro de cada um de nós.

Quando já estava começando a ficar com consistência de geléia, coloquei na taça. Me pareceu uma forma adequada... Mas também usei ramequim totalmente branco para aforar o contraste.

Gostei de tudo: da cor, do sabor, da textura... enfim de mais esta experiência. E você?


[clique sobre a imagem para ampliar]


Como você pode perceber, as bolinhas estão contrastando entre si desde a mais branquinha até a mais vermelhinha. De menores a maiores. Isto me pareceu interessante...

9 comentários:

Anônimo disse...

ah q delicia!!!!
vou fazer...
Andréa

Mariângela disse...

ó Carlinhos,sagu é mesmo uma delícia,um dos doces mais típicos aqui do Rio Grande feito pela italianada da serra,gosto muito de um que como em Gramado feito com vinho tinto tão forte,mas tão forte,que sou capaz de me embebedar só comendo o saguzinho ingênuo,uma delícia,beijo!

Anônimo disse...

Acho o Sagu no mínimo cult!

Sua versão parece deliciosamente delicada, confesso que amo chá de hibiscus!;-)

Por aqui acho essas perles de tapioca, vou tentar fazer e depois te conto ;-)

Bisous,
Ana de Bruxelas

Agdah disse...

Menino, vc sabe? Aqui agora anda em voga um certo
Bubble Tea que era mais popular na comunidade asiática. Começou só com chá servido com bolinhas gelatinosas, às quais eu chamei logo de primas do sagu. Hoje em dia, as tais bolotinhas estão em toda parte. Assim sendo, você está "totally IN", como dizem por aqui.

Elvira disse...

Descobri essa sobremesa com a minha prima brasileira, a Sandra. É muito boa! :-)

Abraço.

Adriana disse...

Realmente para abrir seu blog tem-se que ter jantado primeiro! Que delícia!ngualydk

Li disse...

Carlinhosssssssssss!!!!!!!!!
As alquimias lindas e saborosas preparadas e " narradas" por vc, dispensam totalmente a necessidade de um Sheik!!!!!!!!!
Fico mesmo é com vc por aqui mesmo, pois é garantia de satisfação total!!!!!!!!!
Beijas!
Li

carlinhos de lima disse...

Heheheheh! Só você, Li.

Adriana, você pode fazer essas coisas na tua casa!

É, Agdah... fiquei feliz com esse seu comentário. Gosto do teu blog. Tenho aprendido coisas por lá.

Leila disse...

eu adoro Sagu, de preferencia com creme.
no sul a gente come muito.
beijinhos