domingo, 14 de dezembro de 2008

Pão: brincando com a forma e com o processo


Chega uma hora em que a gente se sente com vontade de testar coisas novas. Eu não consigo ficar muito tempo parado fazendo a mesma coisa.

Assim tem sido com pães. Irriquieto com isto e limitado aos meus processos caseiros, pra não dizer artesanais, tenho procurado incessantemente ver outras formas de fazer. Em quase todas que tenho achado, segue-se um processo profissional, com equipamentos próprios para isto.

O desafio tem sido maior nestes aspectos. E recentemente mais alguns deles foram testados.

Assim, para brincar com formas, resolvi experimentar fazer a última fermentação com a massa em cestos de vime. Não havias pensado? Pena... outros já estão fazendo. E, agora, eu também.

Junto com isto, passei a usar uma "pedra" no meu forno. Dessas que se vende a algum tempo para fazer pizza no forno caseiro. Ela precisa ficar bem quente. Esse "aquecmento" pode durar mais de meia hora no forno caseiro.

O pão segue seu processo de fermentação em um cesto de vime, devidamente polvilhado de farinha de trigo e coberto por um pano grosso. Se puder, coloque em um ambiente fechado. Algumas pessoas tem relatado o uso no microondas (claro que sem funcionar). Assim têm conseguido um ambiente de temperatura constante, sem correntess de ar.

Quando chegar ao ponto de ter dobrado de volume, vire o cesto em algo que possa ser utilizado como a "pá do padeiro": um fundo de forma de bolo, por exemplo, devidamente pulverizado de farinha de trigo de modo que o pão possa "escorregar" para a pedra.

Nesse momento, faça os cortes que achar adequados ao seu gosto e... pedra!

Nesse ponto, usando um pulverizador destes de molhar planta, pulverize o pão com bastante água e asse até que ele doure. Algo como 20 minutos.

O resultado foi esse aqui. A receita, igual a tantas que fiz por aqui...

[clique sobre a imagem para ampliar]


Agora você já pode receber estes textos em seu email. Cadastre-se!







2 comentários:

Anônimo disse...

Lindo demais!!!!!!!!!!!! e a casquinha deve estar bem crocante.
Quero um desse para mim.

carlinhos de lima disse...

Ok, obrigado pelo elogio.
Mas não vou poder te entregar um... Falta dizer quem é!