domingo, 27 de fevereiro de 2011

Um kibe

Mas como? Um kibe? Sim. Apenas um kibe vegetariano entre tantos e tantas fórmulas.

Depois de voltar do consultório com o resultado dos exames a difícil decisão de mudar alguns hábitos alimentares. Tal como tantas outras pessoas que precisam manter a saúde e com isto alguns alimentos que fazem parte da nossa dieta desde muito cedo, desde o comecinho de nossas vidas depois do peito da mãe, precisam ser excluídos.

A carne de gado está indo embora dos meus pratos de consumo. Ainda continuo fazendo o melhor que aprendi sobre elas para os outros. Já nem tanto comia dela mas agora preciso me afastar de vez. E isto vai acabar sendo falado por aqui. Certamente vai ser útil para aqueles que querem ou precisam desta guinada na alimentação e se sentem pouco encorajados.

Não pretendo fazer apologias vegetarianos, levantar bandeiras e essas coisas. Vou apenas, e tão somente, vez por outra contar alguma solução que encontrei pra seguir em frente.

Talvez esta mudança me permita uns peixinhos. Mas as ditas carnes que contém sangue serão abolidas. Ou, sei lá por quanto tempo vou conseguir ficar afastado delas. Melhor nem pensar nestas coisas. Seguir em frente. Mudar hábitos e enfim, perseguir a saúde que é o mais importante. Sem tótulos. Sem estigmas.

Assim, hoje quando voltava com o envelopão embaixo do braço passei na mercearia e comprei a proteína texturizada de soja. Preferi a escura. Pouca quantidade pois já não mais lembrava do sabor.

Em casa, separei uma tigela e coloquei ali meia xícara de PTS. Separei meia xícara de água de filtro e fui hidratando aos poucos como aprendi esta técnica de hidratação de grãos numa Escola do Jardim Botânico que vez por outra frequento para me manter atualizado.

Peguei o mesmo volume de trigo pra kibe. Também conhecido nas rodas gastronômicas como triguilho. Tanto faz o nome: é aquele trigo partido. Uma lavada e a água escorrida. Coloquei uma colher de sopa de água nova e mexi para que ela fosse absorvida. Não queria que ele ficasse muito hidratado. Gosto de sentir sua textura na hora de comer. O croc...

Misturei ao PTS depois de meia hora, 40 minutos ali separados, mas lado a lado. A umidade do PTS hidratou ainda mais o trigo e os deixei ali por mais meia hora. Juntos e misturados.

Peguei meio pão francês e o embebi de água do filtro. Esfarelei. Quase uma papinha. Coloquei sobre a mistura de trigo e PTS.

Piquei a metade de uma cebola média em minúsculos quadradinhos. Coloquei sobre o pão umedecido.

Fui até a hortinha da varanda e colhi algumas folhas de hortelã que ainda sobrevive a este calor desértico que faz aqui no Rio de Janeiro. Piquei grosseiramente e coloquei sobre a mistura.

Umedeci as mãos e comecei a misturar e apertar, formando uma liga adequada apenas para mantê-los juntos. Apertadinhos. Sal e pimenta do moinho deram o ar de sua graça dançando sobre a tigela. Um longo fio de azeite também foi lentamente derramado sobre massa.

Peguei um aro quadrado, de 5cm de lado e formatei os kibes. Coloquei em um tabuleiro sobre papel vegetal embebido em azeite e levei ao forno pré aquecido, 200ºC, por 40 minutos. Ao retirar do forno, novo fio de azeite sobre os cubos de kibe.

Na montagem, shoyo no fundo do prato e o cubo de kibe ao centro. Sobre ele o inseparável raminho de hortelã. Só eles. Centro do prato e do Universo que começava a me mostrar os novos caminhos que preciso seguir. O sabor? Sou suspeito pra falar. Mas espero que você faça e venha aqui contar o que achou... Ah, a porção rendeu 4 cubos.

Se você for pesquisar, vai encontrar deles até com abóbora japonesa. Com farinha de trigo branca e integral, com gergelim branco e preto. Com abobrinha e tantas outras coisas. Preferi ficar mais perto do original. Apenas substituir a carne vermelha da ovelha dos árabes ou do gado dos ocidentais pela proteína de soja. Senti apenas a falta da pimenta Síria. Mas não tinha mais em casa. Da próxima vez não esquecerei de colocar uma colher de chá nesta quantidade que fiz.

F A C I L I D A D E S
+ Acompanhe este blog pelo twitter.
+ Receba aviso sobre novos textos em seu email. Cadastre-se!
+ Antes de imprimir este texto, pense na sua responsabilidade com o meio ambiente: click aqui!

6 comentários:

Cris disse...

Também me foi recomendado distância da carne vermelha... vou começar diminuindo o consumo semanal. Partir pra PTS não vai ser fácil. Mas é muito bom saber que não estou sozinha.

vinho um ritmo de vida disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fatima Menezes disse...

Vou testar sua receita sim!! Arranja um tempinho para mim que estou com saudades... beijos

carlinhos de lima disse...

Cris, não é tão complicado assim... Vai seguindo algumas dicas que vou andar falando por aqui.

Fátima, te mandei email...

biscoitos de polvilho disse...

Sabe que pra mim essa é nova, gostei, obrigada!

carlinhos de lima disse...

Que bom, biscoitos.
Faça-a. Teste. E conte pra gente qual foram as tuas impressões.