domingo, 15 de junho de 2008

Um novo miolo


Tem horas na vida da gente que o vício, o prazer começam a querer comandar nossos caminhos.

E cozinheiro tem muito disso. Eu acho. Eu observo. Uns até dão o "nome" de conceito a esta "repetição" de determinadas receitas.

Minha cabeça vez por iutra se rebela com essa repetição que agente acaba até caindo na mesmice. Tem sido assim desde muitos tempos. No desenvolvimento de processos, na informatização deles e depois, na criação.

Agora, na cozinha, na oficina ou até no dia-a-dia essas crises de repetição me assustam.

Hoje foi com pão.

Já vinha um tempo "trabalhando" os mesmos conceitos: o pão "normal" e o "pão de longa fermentação". É claro que me apaixonei por estes. O sabor final é algo assim como inesquecível. É como uma viagem a minha infância quando comia pães da padaria do "seu" António "português" lá pelos lados da Botija. Um lugar que mesmo parado no tempo acabou tomando nova "Denominação de Origem Controlada"... Mas deixa pra lá. Quero guardar como era no meu tempo de cinco anos correndo pelos verdes que ainda existiam por lá ou indo ver meu tio jogar bola...

Então hoje, o alarme laranja tocou na minha cabeça. Apesar do dia lindo lá fora, resolvi me "enfurnar" na cozinha para fazer meus pães da semana.

Agora, ajudando a cuidar da Casa que o Amor Construiu minha semana ficou curta: resume-se a apenas os dois dias do final dela. Os outros dias são dedicados àquelas crianças que vêm cuidar de sua saúde aqui no Rio. Mas isso é papo para outro dia.

Me dei conta que sempre variei meus pães em cima de grãos. De processo de preparo. Ainda não havia feito a variação que também, de uma certa forma, traz o conceito de pão funcional para a mesa. É, sempre gosto de acrescentar alguma coisa que tenha a função de ajudar a saúde de quem come meus pães e não apenas o básico que apenas engorda...

Resolvi fazer de cenoura. Tão simples que até dá vergonha de dizer que ainda não havia feito deles. E foi assim, substituindo a pura água de moringa por água de cenoura que ele tomou forma e sabor...

Mais? Para que? Apenas isto e já temos um novo pão. Ideal para aquelas pessoas que nem gostam de cenoura. Fica apenas a cor e o sabor lá no fundo. Sutil. Mas a essência ali presente. É assim que gosto. Fico imaginando aqueles meninos e meninas carequinhas provando deles. Um dia dona Sonia vai permitir. Logo depois do dia de comer sanduíche para ajudar mais delas a encontrar uma acolhida nos seus dias complicados de ânsia pelo efeito colateral dos remédios que podem curá-las.

Então, apenas duas cenouras médias. Algo como 150g, descascadas e passadas pelo liquidificador para virar "água de cenoura". Depois é só seguir uma das receitas que já foram descritas por aqui.

E, este, ficou assim...

[clique sobre a imagem para ampliar]


Agora você já pode receber estes textos em seu email. Cadastre-se!

12 comentários:

Ana de Bruxelas disse...

Abençoado seja esse pão, assim como seu gesto de amor!
Bisous,

Anônimo disse...

de cenoura, nem coelho resiste!!

vera disse...

o coelho sou eu!!

Adriana disse...

Que coisa divina.Quisera eu ter seu dom!

Agdah disse...

Fiquei imaginando a cor das fatias...

carlinhos de lima disse...

Oi gentem... está complicado de parar por aqui pra escrever alguma coisa.
Vou tentar esta semana.
Beijos em todos.

Fer Ayer disse...

Casa que o Amor contruiu? fiquei curiosa...tb estou numa correria, voltando para o Estado de São Paulo e tentando colocar tudo em ordem como você sabe, mas sempre que posso venho aqui viu? Saudades.

carlinhos de lima disse...

Não fique... A Casa que o amor construiu é a Casa Ronald McDonald - Rio de Janeiro.
Fica na Rua Pedro Guedes, 44 no Maracanã, do lago da UVA (Universidade Veiga de Almeida.
Esta Casa acolhe crianças e adolescentes em tratamento de câncer em cinco hospitais na cidade do Rio de Janeiro.
É uma Casa maravilhosa, movida pelo amor dos voluntários e mantenedores.

Em S. Paulo, o G.R.A.A.C. é uma Casa que o amor construiu...

Em breve, mais detalhes desta obra.

Gourmandise disse...

Oi? Tudo bem? Corrido?
bjo,
Nina.

Axly disse...

Olá Carlinhos...
Mesmo corrida, a tua poesia ainda é linda^^
E eu fico imaginando a alegria desses carequinhas comendo esse pãozinho lindo e com certeza perfumado.
Que lindo gesto... Deus o abençoe sempre^^
Kisss!

Papos & Panelas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Papos & Panelas disse...

Gostaria de te parabenizar pelo excelente blog e pela atitude maravilhosa de compartilhar seu tempo com aqueles que buscam um tempo de mais conforto. Não sei se vc já percebeu, porem vc está dando a estas crianças a oportunidade de correr pelos verdes que ainda existiam por lá ou indo ver "meu tio jogar bola"... Deus te ilumine e te abençoe.